NE Notícias

No Estadão desta quarta-feira, 13, o líder do PT no Senado, Rogério Carvalho (SE), tenta justificar o apoio do partido a Rodrigo Pacheco (DEM), candidato do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) a presidente da Casa.

Em discurso, à tribuna, senador Rogério Carvalho Santos (PT-SE).
Geraldo Magela / Agência Senado

Leia a seguir frases do senador sergipano:

A pergunta que não quer calar:‘se fosse do MDB, seria menos próximo ou mais próximo?

Não temos condição de escolher um candidato de oposição ao Bolsonaro porque não tem. Estamos falando de eleição no Senado, e não do Brasil.

Rogério Carvalho

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Com respeito, mas qual foi a independência do MDB em relação ao governo? Vamos ver a vida real, na prática. Vale o que se faz, não o que se diz. O MDB foi líder do governo. Esse negócio de mais ou menos independente não existe. Quem dá poder ao Bolsonaro é a base que ele constrói.

(…)

Nós somos garantistas. Essa pauta que coloca em risco as garantias individuais, constitucionais e coletivas não nos agrada. Não queremos mudar o estado de consolidação das liberdades, presunção da inocência e garantias difusas por inovação de um ativismo judicial desproporcional. Não nos agrada aqueles que professam esta fé. Esta fé não é a nossa fé. 

Rogério Carvalho