NE Notícias

O município de Graccho Cardoso está imerso em dívidas e abandono generalizado. A análise é do prefeito Arakém Aragão, do PSD, que relata o descaso e sucateamento da prefeitura. 

Segundo Arakém Aragão, o ex-prefeito Cassinho de Quixabeira não pagou o salário de dezembro aos servidores, também o 13°, deixou dívidas de água e energia, além das estruturas e carros das secretarias em condições de deterioração. Somente em dezembro, há um débito estimado em quase R$ 2 milhões. 

Graccho Cardoso – Arakém Aragão / Facebook

“Recebemos o município em situação precária, todas as secretarias sucateadas, amontoados de dívidas. Eu pergunto, cadê os recursos da prefeitura? O dinheiro do Fundeb transferido para a conta do municípo? Em folha, referente ao mês de dezembro, é um déficit colossal”, lamentou o prefeito. 

Além disso, de acordo com Aragão, na penúltima semana do ano, o ex-prefeito deu férias e licença aos médicos e vários funcionários, sufocando o atendimento no sistema de saúde. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Concurso 

Arakém Aragão também comentou sobre a convocação além do número de vagas estipuladas no edital da prefeitura, para diversos cargos, no qual o ex-prefeito, durante o período eleitoral, convocou 384 inscritos, para um concurso de 46 vagas. A medida descumpriu uma decisão judicial e uma resolução do Tribunal de Contas do Estado sobre a proibição de qualquer nomeação no período das eleições. 

Como tem reiterado nos encontros que teve com representantes do SINTESE, do SINTRASE e de outras categorias, o prefeito e sua equipe vem estudando toda essa questão buscando o entendimento dentro da lei, das determinações da Justiça e do TCE/SE. Ele afirmou que irá aguardar qual a recomendação do procurador e da assessoria jurídica do município.

“A antiga gestão deixou muitos problemas, principalmente na convocação descabida do concurso. No entanto, iremos lutar para vencer a herança do descaso, a fim de propiciar uma gestão transparente e efetiva à nossa população”, concluiu Arakém Aragão.