Assessoria

O site Trânsito Web que se dedica a informações sobre  assuntos relacionados a departamentos de trânsito do país, publicou uma nota com informações imprecisas, mentirosas e caluniosas sobre pseudas irregularidades praticadas por dirigentes do Detran-SE. 

Sede do Detran – ASN / Arquivo

O portal que representa interesses de empresas que perderam recentemente contratos junto a vários departamentos de trânsito do país, inclusive de Sergipe, posiciona-se contra uma portaria de dezembro/21, do Detran-SE – obrigação estabelecida nacionalmente pelo CONTRAN – que internalizou alguns serviços que antes eram feitos por empresas terceirizadas. Esses serviços administrativos são feitos agora pelo próprios servidores do Detran-SE de forma eficiente, transparente e muito econômica para os cofres públicos.

As acusações feitas pelo Site TransWeb, baseadas em inexistentes investigações do MP, acusa levianamente a diretora Naleide de Andrade Santos e o diretor administrativo-financeiro Marcos Andrade de favorecerem outras empresas prestadoras de serviços técnicos que atuam há mais de uma década no próprio Detran.

E, mais grave ainda, os caluniadores especulam que o diretor-financeiro estaria a serviço de seus parentes – deputado Jeferson Andrade e conselheiro Ulices Andrade – numa clara e perversa intenção de atingir a imagem pública desses dois conhecidos e respeitáveis servidores públicos.

— CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE —

Interesses econômicos e politiqueiros de empresas e pessoas conhecidas se juntaram para criar essa fake news cretina e mentirosa – diz o diretor Marcos Andrade.

Ainda segundo ele, “essas FakesNews não querem esclarecer nada. A intenção única  dos mandantes e autores é prejudicar a imagem pública da nossa família”. 

Já a diretora superintendente Naleide Santos, por seu turno, rechaça veemente as calúnias e difamações praticadas  pelo portal TransWeb e diz que “a  nossa gestão não sofre nenhum tipo de ingerência alheia, é desenvolvida de forma eficaz e transparente, contando com a efetiva colaboração dos servidores do próprio órgão, atuando sempre dentro da lei, baseada na ética e na moral do serviço público”.