Aracaju, 17 de Novembro de 2018
Ainda restam alguns restos


Sorte a nossa que ainda temos um Murilo Mellins, um Raymundo Mello, um Jairo Alves de Almeida, um professor Vilder Santos, um Armando Maynard, e alguns outros ilustres sergipanos que continuam se preocupando com o passado aracajuano e sergipano e fazem do memorialismo, escrito ou radiofônico, uma salvaguarda do nosso tão belo e suntuoso relicário.

Não há relicário maior que a história de um povo, de uma cidade, revelando retratos antigos e costumes esvoaçados ao vento. Nas paredes do tempo, os instantâneos em preto e branco que não podem ser devorados pelo próprio tempo. Ou se busca sua preservação ou se nega as próprias raízes, pois a memória de um povo está na valorização do seu passado e seu contributo ao que de melhor ainda é avistado no presente. Mas somente com abnegação para não deixar que o descaso e o abandono apaguem tudo de vez.

Infelizmente, somente alguns se dão ao trabalho de afastar as traças em nome da preservação e, muito mais, fazer conhecer ou reencontrar o antigo sublime e majestoso. O professor Jairo Alves, por exemplo, a cada domingo nos coloca diante de imponentes coretos para que as fanfarras ecoem retretas de transbordar os saudosos corações. Talvez sequer não existisse mais a Aracaju antiga se não fossem os contínuos registros feitos por Murilo Mellins.

O professor Vilder possui tamanho aprofundamento na memória que mais parece já estar por aqui desde os tempos do velho e tenaz cacique Serigy. De tudo recorda, sabe de tudo, com esmero, em detalhes. Acaso pergunte como era os primórdios do Beco dos Cocos e seus arredores e a vida noturna de antigamente em cabarés como o Vaticano, Shangay e Miramar, Vilder é bem capaz de dizer nomes de cafetinas, cafetões e daquelas mulheres tão mais formosas e perfumadas do que muitas de agora.

Armando Maynard possui páginas na internet onde são possíveis diversas leituras acerca do nosso relicário histórico. Fotografias de antigas residências senhoriais, relatos sobre renomados radialistas, jornalistas, repórteres e apresentadores de palco televisivo. Costumes, tradições, festejos, sagrados e profanos, fatos e coisas que marcaram o percurso sergipano. Também informações sobre os antigos rendez-vous, os mais afamados, as orquestras que se apresentavam para uma sociedade endinheirada e ávida pelo cangote de falsa francesa.

Mas não é nada alentador a preocupação com a memória da cidade, com o seu passado, percurso e destino. Certamente que há mais entristecimento e comoção do que alegria perante o que ainda se mantém preservado. É que aquele que se preocupa com a memória da cidade infelizmente se sente como afetado por uma punhalada toda vez que a modernidade ou o anseio de lucratividade faz das relíquias históricas ou arquitetônicas um mero brinquedo de derrubar ao chão.

Neste sentido, verdadeiros absurdos são observados a cada dia. De um lado, de repente um antigo casarão ou sobrado deixa de existir pela voracidade habitacional da cidade, que a tudo derruba para o surgimento de prédios modernos. De outro, a incúria dos órgãos de preservação do patrimônio histórico que, após o tombamento, nem cuida nem deixa ninguém cuidar. A Rua da Frente é exemplo maior desse descaso oficial, pois muitas edificações tendem a desabar a qualquer instante pelo fato de estarem sob proteção federal.

E o que aconteceu com o antigo casarão que por muito tempo foi lar residencial e de poder da abastada família do usineiro Pedro Ribeiro e posteriormente abrigou a Federação da Agricultura de Sergipe, na Rua Capela esquina com Rua Geru, no centro da capital? Construção imponente, erguida para simbolizar a abastança familiar, após passou a ser utilizada com outras finalidades, mas sempre preservando grandiosa beleza arquitetônica nos seus dois andares. Com a saída da federação, os usos posteriores foram deteriorando os espaços até surgirem os primeiros sinais da fatal destinação.

Quando um muro foi levantado para impedir os acessos ao antigo casarão, as paredes antigas, tanto interiores como exteriores, já estavam em ruínas. Restava apenas uma placa dizendo “Casa da Agricultura”. Mas noutro dia passei por lá e me espantei com a cena, pois tudo já derrubado e no lugar da história a incerteza do novo. A culpa certamente não é do empresário ou construtor que o adquiriu, mas de quem caberia preservá-lo para uma útil destinação e acabou optando pela via do lucro imediato.

Mas ainda restam alguns restos. Felizmente sim, mas não se sabe até quando. Não fossem as falsas paredes de acrílico que encobrem muitas fachadas, ainda seria possível avistar antigas e belas formas arquitetônicas por todo o centro comercial, principalmente na José do Prado Franco e imediações e mais adiante, nas áreas dos mercados. Contudo, é na região dos mercados que se apresentam as fachadas vivas, suntuosas, testemunhos maiores de um tempo de nobreza aracajuana.

Ainda há tempo de preservar, de não deixar que a insaciável modernidade se arvore do direito de tudo destruir. O antigo pode muito bem acolher o novo sem ser destruído ou modificado nas suas formas. Os prédios da Associação Comercial e da OAB são exemplos dessa responsabilidade histórica. Ainda bem.

____

RANGEL ALVES DA COSTA, advogado e escritor. Acese blograngel-sertao.blogspot.com

Saiba mais
Manifeste
Comunicar erro
Utilize este espaço para comunicar erros encontrados
nas matérias publicadas pelo NE Notícias.


limite de caracteres:
Enviar




limite de caracteres:
Fale com o NE
Este é o seu contato direto com o NE. Preencha o
formulário e envie o seu recado.


digite o código abaixo e clique em enviar
    
NE no Facebook      NE no Facebook
NE no Twitter      NE no Twitter
Desenvolvimento: Goweb Tecnologia
Projeto Gráfico NE Notícias - Leia hoje as notícias de amanhã Todos os direitos reservados