Aracaju, 22 de Setembro de 2018
Lampião: as vidas, as mortes, as incertezas


Além da alcunha de rei do cangaço e da patente de Capitão, em Lampião caberiam muitos outros codinomes: o indecifrável, o insepulto, o misterioso, o eterno desconhecido. Sobre o guerreiro e líder maior das caatingas ainda recaem verdadeiras teorias conspiratórias: suas tantas vidas, suas tantas mortes, suas sombras que permanecem debaixo do sol e da lua. Certamente não há personagem cuja história seja mais instigante do que a desse que ora é herói e ora é bandido, e vice-versa.

O homem, o cidadão sertanejo Virgulino Ferreira da Silva, filho de José Ferreira da Silva e Maria Lopes de Oliveira, já morreu, não há dúvida. Nascido talvez em 1897 ou 1898, portanto há cento e dezoito ou cento e dezenove anos, já não teria forças físicas e orgânicas para continuar vivendo, principalmente pela sua exaustão em muitos momentos. Sua morte é, assim, o único fato tido como incontroverso, pois os demais estão quase todos envoltos em polêmicas e contradições.

O exato ano de nascimento é apenas um dos tantos debates que envolvem sua história.  Seu Registro Civil consta o ano de 1897, mas sua Certidão de Batismo (Batistério) consta o ano de 1898. Atualmente, se aceita a data constante do Batistério como a correta. Não obstante isso, muitos são os escritos dando conta de outras datas, indo mesmo além do ano de 1900. E não por invenção do escritor, mas porque colheu como veracidade a informação repassada.

Problema de igual monta se relaciona ao dia de seu nascimento. Seu Batistério sinaliza o 04 de junho de 1898 como aquele em que Dona Maria Lopes deu a luz. No entanto, no seu Registro Civil consta o dia 07 de julho de 1987, documento este que fez com que muitos passassem a ter essa data como a correta. Mas é mera questão lógica. Ora, o menino Virgulino no poderia ter sido batizado um ano antes do seu nascimento.

Mas ainda não se chegou a verdadeiro consenso sobre as datas envolvendo o nascimento de Virgulino. No livro “Lampião, senhor do sertão: vidas e mortes de um cangaceiro” (EdUSP, 2006), a escritora Élise Grunspan-Jasmin procura sintetizar o emaranhado dessa questão, e cita:

“Nos limites de uma história familiar, em que as referências variam segundo os relatos porque dotados de uma dimensão simbólica, é difícil atribuir a Lampião pontos de referência temporais precisos: como estabelecer um começo, um fim? Quando uma personagem toma essa dimensão histórica, fixar a data de seu nascimento ou a data de sua morte de maneira precisa equivale a identificá-la com o comum dos mortais. No caso de nosso herói, os registros de estado civil e de batismo (há vários), os versos da literatura de cordel e os testemunhos orais indicam as mais diversas datas de nascimento, seja em 1893, em 7 de julho de 1897, em 12 de fevereiro de 1898, em 4 de março de 1898, em 4 de junho de 1898, em 4 de julho de 1898, em 7 de julho de 1897, em 1898, em março de 1900, em 12 de fevereiro de 1900, em meados de 1900, em 15 de junho de 1900, em 1905...” (2006, pp. 43-44).

O ano de 1893 é citado pelo Diário de Pernambuco de 12/12/1936 (“Lampeão tem 42 anos e ainda está forte, levando uma vida tão acidentada”). O dia 7 julho de 1897 é citado por Aglae Lima de Oliveira no livro Lampião: Cangaço e Nordeste. O dia 12 de fevereiro de 1898 é citado por Felipe de Castro (Derrocada do Cangaço no Nordeste, 1976, p. 88). O dia 4 de março de 1898 é citado no Diário de Pernambuco de 20/3/1928. O dia 4 de junho de 1898 é citado por Estácio de Lima (O Mundo Estranho dos Cangaceiros: Ensaio Bio-sociológico, 1965, p. 142). O dia 4 de julho de 1898 é citado por Frederico Bezerra Maciel. Para Antônio Amaury e Vera Ferreira, Lampião só poderia ter nascido em 1898 (O Espinho do Quipá: Lampião, a História, 1997, p. 27). E muitos outros autores citam datas diferentes para o nascimento de Lampião. Mas qual a verdadeira?

Ainda segundo Grunspan-Jasmin, “Existem divergências quanto ao local exato de nascimento de Virgulino, seria ora em Triunfo, ora em Mata Grande, ora na Fazenda Ingazeira, no município de Vila Bela, ora no sítio Matinhas, próximo de Vila Bela, ora no sítio Passagem das Pedras, na região do Riacho do Navio, distrito de Carquejo, em Pernambuco, ora no sítio Serra Vermelha” (2006, p. 46). Mesmo com as controvérsias, ponto pacífico é que Virgulino nasceu no sertão pernambucano, na região de Pajeú, berço de nascimento de tantos outros vultos da saga cangaceira nordestina.

Mas os questionamentos não acabam aí. Para embaralhar ainda mais o emaranhado deixado pelo Capitão, muito ainda se debate sobre o porquê e como surgiu o apelido Lampião, como se deu o ferimento que lhe afetou o olho direito, e a maior de todas as questões: como morreu Lampião? A maioria comunga ter sido na Gruta do Angico, naquele fatídico alvorecer de julho de 38. Alguns conspiradores afirmam a morte por envenenamento, citando até cada passo da trama. E há até quem afirme que o Capitão nem lá estava durante o episódio. E mais recentemente uma história sem pé nem cabeça insinuando que o rei cangaceiro passara toda sua velhice nas Minas Gerais.

Por fim, foi herói ou bandido, justiceiro ou frio e cruel matador? Neste aspecto, é a História a dona da razão. Tudo o que o homem disser será por exercício de conveniência ou de paixão. Mas o Tempo, pela voz da História, já disse: Sinta na pele a sua dor para saber se ele estava brincando de sofrer.

__

RANGEL ALVES DA COSTA é Advogado e escritor. Acesse blograngel-sertao.blogspot.com

Saiba mais
Manifeste
Comunicar erro
Utilize este espaço para comunicar erros encontrados
nas matérias publicadas pelo NE Notícias.


limite de caracteres:
Enviar




limite de caracteres:
Fale com o NE
Este é o seu contato direto com o NE. Preencha o
formulário e envie o seu recado.


digite o código abaixo e clique em enviar
    
NE no Facebook      NE no Facebook
NE no Twitter      NE no Twitter
Desenvolvimento: Goweb Tecnologia
Projeto Gráfico NE Notícias - Leia hoje as notícias de amanhã Todos os direitos reservados