Aracaju, 19 de Setembro de 2018
O ladrão de calcinhas


Em tempos de graúdas rapinagens, de raposas grandes flagradas com as garras na botija, eis que me chega a recordação de outros tipos de sem-vergonhices, de ladroices que mais pareciam brincadeiras diante das tramoias de agora. Nada mais do que espertalhões interioranos acostumados a roubar galinha dos quintais alheios, a meter a mão no fundo do ofertório da igreja matriz, a roubar no peso e na medida.

Outro dia, Totonho Cirineu debulhava suas memórias acerca desses ladrõezinhos de meia tigela e seus maus costumes quase lendários. Dizia do furtador de flores e cotocos de velas do cemitério, do malandrim acostumado a levar fiadas de arame dos cercados, do larápio viciado em roubar doce de criança, do mão-leve expert em namorar velha viúva somente ao final do mês. Teve que só roubou coqueiro alheio até o dia que despencou lá de cima, e já no chão ainda recebeu uma chuvarada de coco.

E uma história bem interessante: o ladrão dos suspiros e sonhos das solteironas. O espertalhão frequentava as janelas mais chorosas do lugar, oferecia flores e poemas rimados às desafortunadas de macho. Com olhar lânguido dizia palavras bonitas, lançava as mais doces promessas, mas depois sumia. Então aquelas titias se lançavam de vez aos umbrais da melancolia, dos choramingados, das lágrimas. De repente ele retornava dizendo que tão bela flor só merecia um jardineiro de roupa nova, por isso que, envergonhado, deixara de aparecer. E logo lhe surgia à mão dinheiro contado e esperança infinita.

Mas nada igual ao relato de Cirineu sobre o ladrão de calcinhas. Segundo o prosista, é comum nas cidades interioranas que as mocinhas estendam nos varais suas roupas íntimas após o banho ou a lavagem. Como os quintais eram abertos, e quando muito tendo apenas cercas baixas por divisa com o mais além, os varais estendidos ficavam à vista de todos aqueles que passassem pelos fundos das casas. Gente passava e sequer dava qualquer importância ao que estivesse dependurado, mas com outros eram diferente.

Meninote pulava no quintal para afanar fruta madura, caída do pé, ou mesmo agindo com rapidez para subir tronco acima e recolher o caju, a goiaba, a manga. Não lhe interessava mais que isso, ao menos que avistasse no varal uma calcinha pendurada. Sentia-se despertado ante a peça íntima, soltando um sorriso de safadeza, mas nada que fosse além de um interesse proibido e próprio da idade. Mas certos adultos, mesmo avistando ao longe o varal, bastava que enxergassem aquilo que lhes parecia uma calcinha e logo ficavam açulados.

Por isso mesmo que muito marmanjo já foi pego cheirando roupa de mulher pelos quintais. Certa feita, um rapazote estava tão entretido cheirando e beijando uma calcinha rendada vermelha que nem se deu conta que alguém se aproximava. Quando viu diante de si o dono da casa com charuto descendo no canto da boca e espingarda na mão, já era tarde demais. Não deu tempo nem de correr. Teve de vestir a calcinha e sair pela porta da frente todo se requebrando.

Mas episódios seguidos começaram a colocar em polvorosa os quintais. De repente e calcinhas e mais calcinhas simplesmente começaram a sumir dos varais. Esquecidas, as mocinhas novamente estendiam suas delicadezas nos arames e em pouco tempo o canto estava mais limpo. Logo se espalhou a notícia da existência de um ladrão de calcinhas pelos arredores, e que era preciso muito cuidado porque podia se tratar de um tarado pronto para atacar também suas donas. E foi um assanhamento danado.

Mas quem será esse ladrão, uma perguntava a outra, mas sem qualquer pista. A velha senhora, relembrando episódio antigo no mesmo sentido, achou melhor minimizar a situação e dizer que talvez fossem gaviões os responsáveis por aqueles furtos. Tudo para não dizer que havia sido o próprio namorado, então falecido esposo, que apaixonado furtava o calçolão para colocar debaixo do travesseiro. Que gavião que nada, dizia outra, deve ser mesmo aquele rapazinho que saltita cheio de delicadeza. Mas de jeito nenhum, cortava a outra, para ajuntar que aquilo era mesmo coisa de gente safada, de algum pervertido que fazia da calcinha alheia a mulher que não tinha.

Resolveram, então, que as calcinhas seriam colocadas novamente nos varais, só que a partir de então sob a vigília de homem da casa. Seria a única forma de pegar no flagra o tal ladrão e desmascará-lo de vez. Mas as calcinhas passavam as noites embaladas ao vento sem que ninguém aparecesse para levá-las. Uma semana, duas semanas assim, até que a vigilância acabou. Até que numa manhã nenhuma peça íntima foi encontrada.

Levaram todas as calcinhas de todos os quintais e varais da cidade. Então o mundo desabou novamente. Foi um vexame danado. A velha senhora insistia para que olhassem para o alto para ver se algum pássaro graúdo passava de calcinha. O poeta do lugar logo encontrou inspiração: “Foi-se uma calcinha, depois outra e mais outra. Quantas calcinhas voarão para que tenhamos ninhos de tantas delícias?”.

Neste ponto Cirineu deu por encerrado seu causo. Mas um cabra se levantou raivoso e exigiu o final da história, com a indicação do ladrão. Não suportando desfeita, então o prosista remendou: “Só pode ter sido as almas do outro mundo, pois até hoje nunca se ouviu dizer que tivessem coragem de dizer que foi o senhor seu avô”. E até hoje o sopapo rola.

____

RANGEL ALVES DA COSTA é advogado e escritor. Acesse blograngel-sertao.blogspot.com

Saiba mais
Manifeste
Comunicar erro
Utilize este espaço para comunicar erros encontrados
nas matérias publicadas pelo NE Notícias.


limite de caracteres:
Enviar




limite de caracteres:
Fale com o NE
Este é o seu contato direto com o NE. Preencha o
formulário e envie o seu recado.


digite o código abaixo e clique em enviar
    
NE no Facebook      NE no Facebook
NE no Twitter      NE no Twitter
Desenvolvimento: Goweb Tecnologia
Projeto Gráfico NE Notícias - Leia hoje as notícias de amanhã Todos os direitos reservados