Aracaju, 24 de Setembro de 2018
Estância de luto: morreu o jornalista Carlos Tadeu


A redação da A Tribuna Cultural, recebeu a informação preliminar via telefone, através do estanciano e professor José Carlos de Oliveira, sobre o falecimento do jornalista e cronista Daniel Fernandes Reis, 79 anos, que tinha como pseudônimo literário, Carlos Tadeu. Ultimamente ele estava residindo no bairro Cirurgia, em Aracaju.

De acordo com informação da sobrinha do jornalista, Paula Reis, o jornalista estava muito doente. Chegou a ficar internado por cinco meses no Hospital São Lucas, para se tratar de uma pneumonia. Segundo Paula, ele também estava sem conseguir se alimentar direito, quando voltou a se internar, passando um mês no nosocômio.

Carlos Tadeu era natural da cidade de Lagarto, mas escolheu ainda menino, Estância como sua cidade do coração. Daniel era filho do português, Mestre Reis, que foi construtor de diversas obras em Estância, a exemplo do Coreto da Praça Barão do Rio Branco e tantas outras arquiteturas, localizadas nessa região central. E de dona Carminha, que passou grande parte de sua vida numa cadeira de rodas. Morreu com um século de vida.

Tadeu era o filho caçula do casal Reis e Carminha e tinha dos irmãos: José Emílio Reis e José Luiz Reis, ambos aposentados do Banco do Brasil. Durante muito tempo (14 anos), ele dirigiu a Biblioteca Municipal “Monsenhor Fernandes Silveira”. Durante esse período como dirigente, a transformou em um dos pontos de maior contato cultural da juventude estanciana. Uma grande parte das suas crônicas decorre de entrevistas feitas durante esse período.

O jornalista conseguiu lançar no mundo jornalístico, vários jovens que freqüentavam a referida biblioteca, na imprensa escrita local e no Estado, inclusive o proprietário deste site e jornal, Magno de Jesus.

O jornalista Carlos Tadeu escreveu para uma série de jornais de Estância, como: A Tribuna do Município, A Tribuna Cultural, Gazeta de Estância, Folha Trabalhista, Folha da Região, Estância Com Amor, Nosso Jornal e Jornal da Manhã (Aracaju).

Desde menino, Carlos Tadeu foi acometido por uma doença, vindo em seguida a perder a audição, e com isso, passou a se comunicar com as pessoas, por meio da escrita, porém conseguiu lançar com a ajuda de muitas pessoas, dentre elas José Carlos de Oliveira, Carlito Sobral, Major Oswaldo, Frederico Camelier, Sebastião Pires, Décio Carreta Júnior, Luiz Jorge, Roberto Oliveira, Cordélia Nascimento, Joaquim Campelo, Elizete Rodrigues e Edemeia Pituba, cinco livros, intitulados: “Crônicas da Vida”, um projeto importante de sua vida, onde reuniu a maior parte da sua experiência jornalística vivida em contato com a realidade, o sonho, a frustração e a esperança das pessoas de Deus.

Carlos Tadeu faleceu no dia7, por volta das 18h00, no Hospital São Lucas e foi sepultado na manhã de ontem, 8, às 11h00, no Cemitério Nossa Senhora da Piedade.

Saiba mais
Manifeste
Comunicar erro
Utilize este espaço para comunicar erros encontrados
nas matérias publicadas pelo NE Notícias.


limite de caracteres:
Enviar




limite de caracteres:
Fale com o NE
Este é o seu contato direto com o NE. Preencha o
formulário e envie o seu recado.


digite o código abaixo e clique em enviar
    
NE no Facebook      NE no Facebook
NE no Twitter      NE no Twitter
Desenvolvimento: Goweb Tecnologia
Projeto Gráfico NE Notícias - Leia hoje as notícias de amanhã Todos os direitos reservados